DataPoder360: potencial de voto de Haddad “apoiado por Lula” é de até 34%

Fonte: Data Poder 360

Pesquisa DataPoder360 de agosto revela que 34% dos eleitores consideram a hipótese de votar em Fernando Haddad (PT) para presidente da República quando o ex-prefeito de São Paulo é apresentado como “apoiado por Lula”.

DataPoder360 perguntou se o eleitor “votaria com certeza”, “poderia votar” ou “não votaria de jeito nenhum” em cada 1 dos candidatos. No caso de Haddad, a soma do “voto com certeza” e “poderia votar” é que resulta em 34%.

A taxa de “voto com certeza” em Haddad é de 8% e esse é o voto mais consolidado do petista. Nessa categoria de voto ele está empatado na margem de erro com todos os demais principais candidatos a presidente neste momento, véspera do início da propaganda eleitoral na TV e no rádio. O PT e o PSDB terão os maiores tempos disponíveis para fazer esses comerciais por 35 dias.

O levantamento do DataPoder360, divisão de pesquisas do portal Poder360, realizou 5.500 entrevistas por meio de telefones fixos e celulares de 24 a 27 de agosto. Foram atingidas 329 cidades em todas as 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Dado o número de entrevistas e a metodologia aplicada, a estratificação por regiões do país tem grande precisão. O registro do estudo no TSE é BR-04538/2018.

Nesta rodada, o DataPoder360 preferiu privilegiar uma análise detalhada sobre o potencial de voto de cada candidato mais relevante na disputa.

Como mostra o gráfico a seguir, Fernando Haddad “apoiado por Lula”, Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Alvaro Dias (Podemos) variam de 5% a 9% –ou seja, praticamente todos empatados dentro da margem de erro de 2 pontos para mais ou para menos quando se trata de ter eleitores dizendo que “votam com certeza” nesses nomes.

A única diferença é quando é testado o próprio Luiz Inácio Lula da Silva ou alguém indeterminado e sem nome (“candidato apoiado por Lula”). Nesses casos, a taxa de “voto com certeza” vai de 25% a 30%.

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

Ocorre que Lula enfrenta neste momento uma batalha jurídica para ser candidato a presidente. Ele está preso em Curitiba desde abril. Foi condenado pela Lava Jato a 12 anos e 1 mês de prisão. O PT registrou a candidatura de Lula, mas todas as indicações dentro do Tribunal Superior Eleitoral são de que o nome do petista será barrado até 17 de setembro –o 1º turno da eleição é em 7 de outubro.

Nesse contexto, com o registro negado a Lula, o nome em preparação pelo PT é o de Fernando Haddad. O DataPoder360 testou nesta rodada como o ex-prefeito paulistano está em várias regiões do país.

O melhor desempenho de Haddad foi no Nordeste. Quando apresentado como “apoiado por Lula”, tem 12% de “voto com certeza”. É nessa região que o PT tem registrado seus melhores resultados em disputas recentes.

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

REJEIÇÃO

Na primeira tabela deste post é possível visualizar a taxa de rejeição (“não votaria de jeito nenhum”) dos candidatos. São as barras vermelhas.

Os percentuais são todos altíssimos, na casa dos 60% ou acima. As duas exceções são para pessoas menos conhecidas por parte do eleitorado –Fernando Haddad e Alvaro Dias são repelidos por 52% dos eleitores.

Todas essas taxas de rejeição são mais altas no DataPoder360 do que em pesquisas de outras empresas (Ibope e Datafolha) porque as metodologias são diferentes.

Ibope e Datafolha mostram uma lista de nomes e o entrevistado aponta quantos nomes quiser para dizer quem não escolheria em nenhuma hipótese. Esse formato de coleta de dados tende a diluir a rejeição e as taxas ficam muitas vezes na faixa dos 30% a 40%, um pouco mais ou a menos.

No DataPoder360 as perguntas são feitas de maneira individual a respeito de cada candidato. Dessa forma, acaba emergindo uma rejeição maior para cada 1 dos nomes.

Esse indicador alto –acima de 50% para todos– é 1 sinal de que esta eleição praticamente tem chance zero de terminar no 1º turno. Isso explica também a estratégia de alguns candidatos de se agarrarem aos seus eleitorados mais cativos, porque a missão de todos agora é tentar passar para a segunda rodada de votação.

No Brasil, só vence no 1º turno quem tiver, pelo menos, 50% mais 1 dos votos válidos –os votos dados apenas nos candidatos.

Jair Bolsonaro é 1 desses candidatos que adota 1 discurso concentrado nos valores que propaga há meses nesta campanha. Entende que com seus 21% consegue ir ao 2º turno. Na próxima fase, se conseguir passar, a estratégia certamente terá de ser alterada para que o candidato dialogue com uma parcela mais ampla de eleitores.

O capitão do Exército na reserva é entre os candidatos competitivos o que tem o eleitorado mais restrito. Seu potencial de voto é de 25% –são 8% de “votaria com certeza” e 17% de “poderia votar”.

Todos os demais postulantes falam para 1 eleitorado mais amplo.

Publicidade

CENÁRIO COM LULA

A Lei Eleitoral no Brasil é historicamente intrusiva. Há muitos anos há restrições sobre como devem ser realizadas as pesquisas de intenção de voto.

Por determinação legal, o DataPoder360 testou 1 cenário com os 13 candidatos registrados na disputa pelo Planalto agora em 2018 –inclusive com Lula, que está preso. O resultado está em linha com o da maioria das empresas que fazem pesquisas no Brasil.

Lula lidera com 30%. Bolsonaro tem 21%. Ciro, Alckmin e Marina pontuam 7%, 7% e 6%, respectivamente –e estão empatados na margem de erro do levantamento. Alvaro está com 3%.

Há uma curiosidade nos resultados. Henrique Meirelles (MDB) e Cabo Daciolo (Patriota) estão empatados: cada 1 têm 2% das intenções de voto. A campanha de Meirelles é uma das mais ricas. Já Daciolo tem pouca estrutura e se destacou nos primeiros debates de TV por aparecer com uma Bíblia na mão e imprecar contra todos os adversários.

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

Como se observa, os demais postulantes ao Planalto marcam só 1%. Inclusive João Amoêdo (Novo), que tem aumentado sua presença na internet e apareceu com 1 percentual bem maior, de 4%, em outra pesquisa recente patrocinada pelo banco BTG Pactual num cenário sem Lula.

DataPoder360 não testou cenários sem Lula. Como se trata de pesquisa por telefone procura-se sempre fazer 1 número menor de perguntas para que o entrevistado não se canse nem se irrite e encerre o processo no meio. Optou-se agora, véspera do horário eleitoral, por fazer questionamentos específicos sobre cada candidato mais competitivo para saber o potencial de voto de cada 1 deles.

Infelizmente, a Lei Eleitoral obriga a testar 1 cenário com os 13 candidatos registrados, incluindo Lula –e uma das perguntas teve ser usada para esse fim.

Em outras rodadas, antes da exigência legal, o DataPoder360 optou por fazer testes com cenários com os candidatos que tinham alguma relevância real no processo –excluindo os nanicos.

Sobre candidatos pequenos, há 1 dado histórico a ser considerado. Quando se aproxima o dia do voto, a tendência é que esses políticos tenham ainda menos apoios. Existe entre parte dos eleitores o desejo de não “desperdiçar o voto” ao escolher alguém que não tem chance de vencer.

Neste momento, há perto de 10% das intenções de voto para candidatos com potencial quase inexistente de vitória. No dia do 1º turno, é possível que esse percentual caia para algo abaixo de 5%.

BOLSONARO E VOTO FEMININO

Como em todas as pesquisas anteriores, o candidato do PSL demonstra grande dificuldade de convencimento das mulheres.

Entre os homens, Bolsonaro chega a 30%, segundo o DataPoder360. Com as mulheres, sua taxa de intenção de voto é de apenas 12%. Em outras palavras: o militar tem 1 voto feminino para cada 3 masculinos.

Em geral, os demais candidatos registram equilíbrio de gênero na divisão de votos. Mas há outras duas exceções: Lula e Alckmin.

Lula tem 38% entre mulheres e só 22% entre homens. No passado, não era assim. Antes de ser eleito presidente, o petista tinha dificuldade para atrair o apoio das mulheres. Em 2002 o publicitário Duda Mendonça passou toda a campanha trabalhando o discurso lulista de maneira a conquistar o voto feminino.

Ficou famosa a última propaganda da campanha vitoriosa de Lula em 2002, de gosto duvidoso, com dezenas de grávidas vestidas de branco e andando num gramado ao som de Bolero de Ravel. De lá para cá, o petista sempre teve boa votação entre mulheres.

Outro que tem assimetria no voto entre homens e mulheres é Geraldo Alckmin. O tucano tem 10% de voto masculino e só 5% de feminino.

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

ESTRATIFICAÇÕES

A seguir, as taxas de intenção de votos dos 13 candidatos a presidente por idade, escolaridade, região e renda.

Vale pontuar o seguinte:

  • idade – Bolsonaro vai bem entre jovens (25%) e Alckmin vai mal (3%). O eleitor de 16 a 24 anos tende a ser mais engajado e realmente votar no dia do pleito,

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

  • escolaridade – a maior taxa (26%) de Bolsonaro é entre os que têm nível superior. O mesmo se dá com Ciro (11%). Já Alckmin pontua melhor entre os que não foram à escola (10%), assim como Marina (17%).

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

  • região – como tem sido a praxe, Lula tem sua maior taxa no Nordeste (47%). Bolsonaro vai muito bem no Sul (31%) e no Norte (39%), mas o militar tem sólidos 18% no Sudeste –o que fica claro em pesquisas feitas apenas nos Estados, com sua liderança explicitada sobre Alckmin (que tem 10% na região).

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

  • renda – Lula é o líder (33%) entre eleitores sem renda fixa. Bolsonaro se dá melhor com o eleitorado cuja renda está na faixa de 2 a 5 salários mínimos.

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

Há agora também outra novidade no Poder360: o agregador de pesquisas, que reúne todos os levantamentos de todas as empresas que investigam intenção de voto e divulgam seus dados.

Trata-se de ferramenta potente para pesquisadores ou leitores em geral que desejam estar informados sobre o atual processo eleitoral –além de poder observar o que disseram todas as pesquisas desde o ano 2000. Copie a URL e guarde na sua lista de favoritos: https://www.poder360.com.br/pesquisas-de-opiniao/

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só são consideradas as ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

“Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outras se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

Para entender mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas realizadas pelo DataPoder360, leia estes posts:

Conheça a metodologia das pesquisas telefônicas e pessoais face a face

Conheça o impacto da presença de Lula sobre os resultados das pesquisas

Pesquisa por telefone teve maior taxa de acerto nos EUA na eleição de Trump

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa a compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 24 a 27 de agosto de 2018. Foram entrevistadas 5.500 pessoas com 16 anos ou mais em 329 cidades em todas as 27 unidades da Federação. A margem de erro deste estudo é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O número de registro desta pesquisa na Justiça Eleitoral é BR- 04538/2018.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

DEIXE UMA RESPOSTA